31/08 e 01/09

|       Locais do evento

 GT CINEMA E AUDIOVISUALIDADES

UTP  |  8h  |  31 de agosto e 01 de setembro

MESA DE ABERTURA DO GT CINEMA E AUDIOVISUALIDADES

Coordenadores:

Anderson Lopes (Doutorando em Ciências da Comunicação – PPGCOM/ECA USP)

Valquíria Michela John (Doutora em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Docente PPGCOM/UFPR)

Aline Vaz (Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Linguagens da UTP)

Lourdes Silva (Doutora pelo PPGCOM/UFRGS. Docente no Programa de Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade Santo Amaro)

 

É no espaço do audiovisual que as narrativas potencializam a expressividade e a necessidade humana de contar, relatar, dramatizar e questionar. É na cultura audiovisual que as narrativas ganham corpo, vivacidade e uma existência ainda mais nítida. Isso se deve, em grande parte, à presença daquilo que mais nos define como seres narrativos: a capacidade de criar imagens que tenham um sentido único por meio das cores, da fotografia, dos ângulos, dos movimentos, das texturas, das músicas, da cultura da oralidade e de produções sonoras presentes em filmes, documentários, telenovelas, minisséries e tantas outras obras audiovisuais.

Neste GT são bem-vindos artigos científicos – de cunho teórico e teórico-prático – que tratam de temas relacionados ao cinema em seus mais variados gêneros, análises fílmicas, historiagrafia, teoria dos cineastas e também assuntos relativos à ficção seriada na TV e em outros serviços de streaming, web-séries, narrativas transmídias e outras formas da cultura audiovisual ligadas ao campo da comunicação, linguagens e discursos estéticos. Assim, poderão compor este GT trabalhos vinculados às questões como adaptações, processos produtivos e narrativos; matrizes culturais e representações sociais, identitárias e políticas; estética cinematográfica; estética da imagem televisiva; metodologias de análises fílmicas; formatos e estilística da teledramaturgia; gramaticalidades audiovisuais; cinema(s) independente(s); movimentos sociais, minorias, gênero, raça, classe e audiovisual; regimes estéticos de interação; estudos das lógicas de produção, exibição, distribuição, consumo e recepção, entre outros exemplos.

Links de acesso:

MESA DE ABERTURA DO GT CINEMA E AUDIOVISUALIDADES

UTP  |  8h  |  31 de agosto

Estudos de recepção e consumo midiático de cinema e ficção seriada televisiva

 

A discussão realizada se concentra no levantamento e análise do estado da arte das pesquisas de recepção e consumo midiático em cinema e ficção seriada televisiva e o recorte refere-se à produção stricto sensu da área da Comunicação, mais especificamente, às teses e dissertações produzidas no intervalo de 2010 a 2015. Os resultados apresentados são parte de uma pesquisa mais ampla, coordenada pela profa. Dra. Nilda Jacks (PPGCOM/UFRGS), que mapeia os estudos de recepção e consumo midiático produzidos nas teses e dissertações nos PPGs da área da Comunicação desde a década de 1990 (JACKS, MENEZES E PIEDRAS, 2008; JACKS ET AL, 2014; JACKS ET AL, 2017 – no prelo), pesquisa esta da qual as autoras fazem parte. No que se refere ao mapeamento dos estudos de recepção e consumo cinematográfico (RIBEIRO, JOHN E LUCAS, 2017 – no prelo), os resultados indicam que há, ainda, muito a ser explorado, tanto no sentido do crescimento no número de trabalhos (apenas sete estudos realizados), mas, sobretudo, nas temáticas, enfoques e opções teórico metodológicas a serem exploradas. Nenhuma pesquisa envolvendo narrativas fílmicas de apelo massivo foi realizada, o que aponta para ainda uma lacuna na compreensão da relação entre o sucesso mercadológico de certas narrativas e o que mobiliza essas audiências a irem às salas de cinema. Ainda não existe uma ampla manifestação, interesse ou divulgação dos estudos de recepção cinematográfica a ponto de gerar avanços teórico-metodológicos constantes no Brasil. A produção acadêmica ainda é muito escassa, difusa e inconstante, sem uma coesão teórica que possa legitimá-la como área de estudos específica. Quanto à recepção e consumo das narrativas de ficção seriada televisiva (SILVA; NOLL, 2017, no prelo), o corpus compreendeu 36 pesquisas no sexênio 2010-2015. Dos gêneros analisados nesse sexênio (série, minisséries, desenhos animados, telenovelas e soap operas), a telenovela mantém-se soberana como objeto analisado nessas pesquisas. Do total de 36 trabalhos de recepção e consumo midiático, 30 preocuparam-se em estudar a relação do receptor com esse produto midiático, fato que indica uma agenda dos estudos de ficção seriada televisa em âmbito nacional. Outro aspecto que se mantém em destaque, se comparada as pesquisas dos anos 2000, é a permanência da temática da identidade em suas diversas interfaces (identidade nacional, étnica, de gênero). Isso pode ocorrer pelo fato de as pesquisas se concentrarem em fenômenos emergentes, como a convergência midiática, por exemplo. A análise feita sinaliza para a necessidade de investigações que compreendam fenômenos relacionados à recepção e ao consumo midiático de ficção em cenários que possam se expandir para além do meio televisão. Ao que tudo indica, o grande desafio é saber de fato quem é esse receptor da internet. Esse internauta, fã, tweeteiro, informante, etc. Se estas audiências forem caracterizadas somente pela atuação em uma única plataforma, como será possível ter informações adicionais de perfil, como por exemplo, as variáveis demográficas, para além daquelas compartilhadas publicamente? Almejando apreender as audiências além desse espaço, algumas pesquisas combinaram metodologias e técnicas tradicionais aliadas a outras mais contemporâneas, como etnografia e análise de redes sociais digitais, por exemplo.

INTEGRAM A MESA:

Lourdes Silva

Doutora em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGCOM/UFRGS). Docente no Programa de Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade Santo Amaro, em São Paulo, onde coordena o Grupo de Pesquisa Processos Metodológicos. Desde 2009 integra o Observatório Ibero-Americano de Ficção Televisiva. Participa como colaboradora do Núcleo de Pesquisa Cultura e Recepção Midiática (PPGCOM/UFRGS). E-mail: lourde_silva@hotmail.com

Valquiria John

Doutora em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGCOM/UFRGS). Docente permanente no PPGCOM e nos cursos de graduação do Decom da Universidade Federal do Paraná, onde é pesquisadora do grupo Nefics. Professora do curso de Jornalismo da Universidade do Vale do Itajaí/SC, onde coordena o Grupo de Pesquisa Monitor de Mídia. Desde 2010, integra o Observatório Ibero-Americano de Ficção Televisiva. Participa como colaboradora do Núcleo de Pesquisa Cultura e Recepção Midiática (PPGCOM/UFRGS). E-mail: vmichela@gmail.com

Contato